Quinta, 21 de Setembro de 2017
Idioma: Português / English
A A-   Aumentar/Diminuir fonte
 

Discurso de Tomada de Posse do Prof. Dr. Ir. Joaquim Clotet no Cargo de Reitor da PUCRS para o Triênio 2005 - 2008 Em 9 de dezembro de 2004

1. Saudação

Excelentíssimo Senhor Arcebispo de Porto Alegre e Chanceler da Universidade Dom Dadeus Grings
Excelentíssimo Senhor Vice Governador do Estado do Rio Grande do Sul Senhor Antônio Hohlfeldt
Excelentíssimo Senhor Prefeito de Porto Alegre Senhor João Verle
Excelentíssimo Senhor Presidente da Entidade Mantenedora da PUCRS Irmão Roque Ari Salet
Excelentíssimo Senhor Presidente Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras Prof. Dr. Manasses Claudino Fonteles magnífico Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie
Magníficos Reitores e Reitoras das Universidades Públicas e Privadas que nos honram com suas presenças
Representantes dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário Empresários
Representantes do Exército
Membros do Corpo Consular
Representantes das Comunidades Maristas
Professores, membros do corpo técnico-administrativo, alunos e ex-alunos da PUCRS, familiares e amigos
Sejam muito bem-vindos a este ato. É com grande satisfação que saúdo a todos os que aqui se encontram reunidos para prestigiar este ato solene de nossa Universidade.

2. Agradecimentos

Se uma palavra pudesse sintetizar a série de reflexões e de sentimentos que me ocupam neste momento esta seria: obrigado.

Obrigado


  • Ao Reitor Norberto Francisco Rauch
  • Aos Pró-Reitores que integraram a sua equipe administrativa neste último período de gestão:
    • Antônio Mario Pascoal Bianchi
    • Helena Willhelm de Oliveira
    • Paulo Roberto Girardello Franco
    • Solange Medina Ketzer e
    • Urbano Zilles

Os Senhores foram incansáveis e vitoriosos nas suas árduas tarefas e sérias responsabilidades assumidas em cada uma das Pró-reitorias, sem esquecer do conjunto

  • Ao Chanceler da Universidade pela confiança depositada na pessoa do Vice-Reitor, Prof. Ir. Evilázio Francisco Borges Teixeira e na minha própria.
  • Ao Conselho da Entidade Mantenedora da PUCRS, na pessoa de seu Presidente, Ir. Roque Ari Salet, Superior Provincial.
  • Aos membros do Conselho Universitário e às suas Câmaras.
  • Aos membros do Conselho de Curadores.
  • A todas as Direções de Faculdades, Institutos e Órgãos Suplementares.
  • Aos representantes da associação de docentes e de funcionários.
  • Às representações discentes.
  • A todos os membros do corpo docente, do corpo técnico-administrativo e do corpo discente.

Iniciei pela pessoa do Reitor Ir. Norberto Francisco Rauch. A ele vou me referir a seguir. Amartya Sen, Professor nas Universidades de Harvard, Oxford, Cambridge e Delhi, e prêmio Nobel de Economia em 1998, começa a sua Autobiografia com estas palavras: "Nasci num campus universitário e parece-me ter vivido a minha vida toda num ou num outro campus."

De forma análoga, a existência do senhor tem sido centrada e intensamente dedicada à universidade. Sem medir esforços, contribuiu de modo singular para o desenvolvimento e consolidação da nossa PUCRS e propiciou o desabrochar de muitos cidadãos do Rio Grande do Sul para a vida universitária por meio da docência, da pesquisa e da profissionalização, contribuindo extraordinariamente para o progresso e para a melhoria individual e coletiva da nossa cidade, do nosso Estado e da nossa pátria.

Na história das civilizações e da cultura fala-se numa figura ímpar: o herói. Este é o nome dado a pessoas quase imortais, de força extraordinária, coragem e habilidade superlativa. Trata-se do ser que empreende realizações fora do comum. As epopéias de Homero, as histórias de Tácito, as biografias de Plutarco, as cartas e discursos de Cícero mostraram à humanidade a grandeza de alguns indivíduos que se notabilizaram por ações grandiloqüentes. Na Renascença, Francesco Petrarca escreveu De Viris Illustribus , destacando líderes bélicos e políticos. Thomas Carlyle, escocês, da época victoriana, Reitor da Universidade de Edimburgo, publicou On Heroes dedicado a figuras de grande poder e magnanimidade . O senhor, prezado Reitor, indubitavelmente, pode ser considerado o grande protagonista de uma obra. Da obra construída ao longo de 26 anos de uma gestão como Dirigente maior de uma instituição de ensino como a PUCRS, que não teve um herói mítico à sua frente, mas um homem diligente, resoluto, empreendedor, que soube enxergar o futuro sem obscurecer o passado e o presente, sintetizando ousadia e parcimônia em seus feitos. Os resultados, fruto de seu saber, trabalho e liderança, estão aí para admiração e benefício de todos. Receba, portanto, a nossa extrema admiração, o nosso profundo reconhecimento e a nossa calorosa gratidão em nome não apenas de nossa comunidade acadêmica, mas, certamente, da comunidade do Estado do Rio Grande do Sul, a qual sinto-me à vontade para também representar neste momento.

3. A nossa Universidade nos primórdios do século XXI

3.1 Características ou aspectos irrenunciáveis

Ceres, nome latino da deusa grega Deméter, protetora das searas, e Cibele, a deusa frígia, que representa a potência do mundo vegetal são também conhecidas individualmente como Alma Mater, quer dizer, mãe beneficente, ou também grande mãe. Essa denominação, como é sabido, aplicou-se posteriormente às universidades, consideradas como "mães nutrientes" dos seus alunos. Gostaria de destacar esta conotação clássica e vital da universidade. A universidade como entidade geradora de vida na mente e no coração das pessoas e como elemento indispensável para o desenvolvimento de uma cidade, de uma região e de uma nação. Que grande desafio para todos nós!

A PUCRS, conforme o Artigo 2º de seu Estatuto, é uma instituição confessional católica. Segundo o Papa João Paulo II, na sua constituição Apostólica sobre as Universidades Católicas Ex Corde Ecclesiae afima que "a universidade nasce do coração da Igreja". É, portanto, órgão vital, entidade de importância essencial para a cultura e o desenvolvimento dos povos ao longo da história. É, nesta perspectiva, Alma Mater. Numa universidade católica, os ideais e os princípios católicos devem inspirar as atividades acadêmicas como um todo, com forte empenho institucional no serviço à família humana. (Ex Corde Ecclesiae, 13 e 14). Cabe-nos, portanto, a continuidade dessa missão, tão claramente expressa no Plano Estratégico Institucional. Para fazer frente a tais propósitos e para enfrentar os grandes desafios do Século XXI, saliento a importância e a necessidade desta "geradora de vida na mente e no coração das pessoas" estar comprometida com:

  • o "desenvolvimento das ciências e a sua comum utilidade para a sociedade", como já o afirmou o Papa Leão XIII, em 4 de agosto de 1880, ao declarar Santo Tomás de Aquino Padroeiro de todos os centros católicos de estudo
  • "o prestígio de seu saber" e "a liberdade da pesquisa científica" de acordo com a Declaração sobre a Educação Cristã da Juventude do Concilio Vaticano II
  • "a preparação dos acadêmicos para a vida pública" conforme John Henry Newman, primeiro Reitor da Universidade Católica de Dublin, de 1854 até 1858, na sua obra The Idea of a University.

Assim, o desenvolvimento das ciências e sua utilidade, o prestígio do saber, a liberdade da pesquisa científica e a preparação dos acadêmicos para a vida pública devem ser considerados sob o prisma da quase bicentenária tradição educativa marista, formadora de gerações de jovens no Rio Grande do Sul desde 1900, e ativa na Educação Superior brasileira através da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, da Universidade Católica de Brasília, de diversas faculdades isoladas do nordeste e da nossa PUCRS.

Portanto, a PUCRS olha com otimismo e confiança para o futuro, sempre orientada por uma longa e desafiadora missão educativa, que requer, de todos os que nela se envolvem, muito amor, doação e saber, a exemplo da trajetória de Maria, nossa Boa Mãe.

Seguindo os fundamentos dessa grande missão, a Universidade continuará sua marcha histórica, pautada pela qualidade e pela responsabilidade a serviço da comunidade, sem fechar os olhos para as profundas desigualdades sociais de nosso país. Por esta razão, a PUCRS aceita os desafios da contemporaneidade no que tange ao progresso tecnológico, sem esquecer do compromisso solidário com a chamada inclusão social.

3.2 A nossa Universidade e o seu horizonte

Utilizo o termo horizonte no seu significado de perspectiva ou probabilidade de desenvolvimento, de progresso e de melhoria. Isso tem a ver com o porvir. Conforme Paul Valéry, o futuro é construção. Ilya Prigogine, físico, químico e filósofo, Prêmio Nobel de Química (1977) afirma que "não podemos prever o futuro, porém podemos prepará-lo." E continua o renomado cientista "O nosso agir depende da nossa memória do passado, da nossa análise do presente e da nossa antecipação do futuro." De acordo com o historiador grego Tucídides, autor da Guerra do Peloponeso, o dirigente político não apenas deve ter as mãos limpas, mas deve ter também os olhos limpos, quer dizer, deve ter a capacidade de enxergar com objetividade e clareza. Neste sentido fizemos o esforço conjunto de preparar o nosso futuro institucional, olhando o horizonte que nos cerca e examinando as possibilidades na hora da realização do nosso Plano Estratégico previsto para até o ano de 2010. Norteados por esta valiosa ferramenta de gestão estamos construindo o nosso futuro. Já realizamos uma boa caminhada. Entretanto, a situação do Ensino Superior no âmbito mundial, quer no hemisfério norte, quer no hemisfério sul, é de mudança, de incerteza e de falta de recursos. O Brasil, como é sabido, não fica longe desta problemática. Há um notável aumento de alunos no ensino médio estatal. Por outro lado, as instituições de ensino superior estaduais e federais são insuficientes para acolher o número de estudantes que as procuram. Além disso, os auxílios financeiros governamentais para os estudantes universitários que freqüentam o ensino particular são, apesar dos enormes esforços do governo, limitados. Como conseqüência, precisamos continuar a nossa mobilização pela inclusão social através dos nossos programas de ajuda e de solidariedade. Neste sentido, cabe lembrar que a PUCRS sempre valorizou esses projetos, apesar das significativas dificuldades próprias do horizonte que ora se descortina.

Em nosso projeto institucional ocupa um lugar destacado o interesse pela qualidade. Qualidade do multiforme exercício da docência, por meio da atualização didática, conceitual, científica e profissional dos professores, visando que o nosso estudante aprenda a aprender, como sugere a Declaração sobre a Educação Superior no Século XXI , da UNESCO.

Qualidade da pesquisa nos mais diversos níveis, considerando a sua relevância e pertinência, sabendo que deveremos re-examinar algumas disposições institucionais sobre o mesmo tema.

Qualidade da extensão. Olhamos para uma universidade aberta e compromissada com o seu entorno social. Uma universidade empenhada no aperfeiçoamento dos seus egressos. Uma universidade ciente da mobilidade ocupacional em nossos dias e, para tanto, em contato com as pessoas de diferentes idades e com interesses diversos ao longo da vida. Uma universidade em constante interação com a indústria e a sociedade empresarial, a fim de contribuir para o desenvolvimento científico e profissional, aproximando os seus acadêmicos e pesquisadores ao mundo do trabalho nos âmbitos regional, nacional e internacional. Contamos para isso com a competência e organização de nosso Centro de Educação Continuada, auxiliado também pela Educação a Distância e a Agência de Gestão Tecnológica.

Às três características que definem a instituição universitária, ensino, pesquisa e extensão, deve-se acrescentar hoje uma quarta que é o empreendedorismo ou a universidade empreendedora. Isso por sua vez é um compromisso não apenas da administração geral da universidade, mas de cada uma das faculdades e unidades de ensino. Esta nova visão da universidade como entidade empreendedora, resultado das condições sociais do novo século, de modo nenhum deve desviá-la do seu compromisso histórico com as ciências humanas e teológicas que foram e continuam sendo sua matriz. A universidade tem raízes históricas e um compromisso com a verdade que não pode ser desconsiderado nem esquecido pelo progresso da técnica nem pelas eventuais crises financeiras. A esse respeito, convém lembrar o pensamento recentemente expresso pelo reitor da Universidade de Harvard, Lawrence Summers: "a área de humanas lida com questões eternas e nos põe em contato com o nosso passado".

A visão presente nesta idéia expressa-se em projetos de integração e formação institucional dos professores e funcionários técnico-administrativos (Reflexões, Fé & Cultura) desenvolvidos nos últimos quatro anos pela PUCRS e que, com possíveis modificações, deverão continuar. Da mesma forma, terão continuidade os valiosos projetos do nosso Centro de Pastoral em benefício do acompanhamento e do crescimento humano e religioso de acadêmicos, professores e funcionários de nossa Instituição. Com tais iniciativas, reafirma-se o compromisso com a qualificação das pessoas para a convivência universitária, que não pode ficar restrita apenas às competências técnicas inerentes ao exercício das funções acadêmico-administrativas. É preciso alargar sempre cada vez mais este horizonte.

4. Um convite:

Finalmente, faço a todos um convite a prosseguir no compromisso para manter e conquistar ainda mais a excelência no desempenho docente, na pesquisa, no atendimento e serviços em todas as faculdades e unidades da Universidade: Campus Central, Zona Norte, Viamão e Uruguaiana. Todos esperam muito do Reitor. Ele, por sua vez, também espera muito dos seus professores, funcionários técnico-administrativos, alunos, ex-alunos e da comunidade em geral.

Isso tudo com o orgulho de sermos PUCRS, uma Instituição de Ensino Superior pujante e em destaque na nossa cidade, em nosso Estado e em nosso país. Retomo neste apelo as características que nos identificam de modo singular:

  • Universidade de qualidade a serviço da comunidade.
  • Católica pelos princípios que fundamentam e pautam o nosso agir e dentro da valiosa e reconhecida tradição educativa marista.

Que Deus, Nossa Senhora do Rosário, Padroeira da Universidade, e São Marcelino Champagnat nos ajudem e nos protejam. Confio no auxílio deles e no esforço de todos os que aqui se fazem presentes.